Sexta-feira, 4 de Julho de 2014

“QUE É FEITO de TI?!”

 

 

“QUE É FEITO de TI?!

Ao Celestino Chaves,

O TINO da Tia Mimi

de Águas Frias

 

O CASTELO DE MONFORTE DE RIO LIVRE é um lugar que revisitamos com muito gosto.

De lá, podemos apreciar toda a Veiga de Chaves e os graciosos e imponentes montes e montanhas que a “circunvizinham”.

É um dia de Verão, quente como o costume, na NORMANDIA TAMEGANA.

O leve ar fresco que sopra da Galiza ameniza o calor e dá um saboroso conforto à sombra das árvores espalhadas pelo recinto do recreio do Castelo.

Aí chegado, temos sempre a sensação de estar a ser vigiado por sentinelas vestidas com armadura de ferro e armadas com arcos e flechas; parece-nos ouvir o tropel de cavalaria inimiga, o sibilar de flechas e virotões; ver os ventos cruzados atirar uma enorme nuvem contra outra, assemelhadas a dois santos engalfinhados, à espadeirada, a ver qual deles, S. Jorge ou S. Tiago, tinha espada mais afiada e de melhor têmpera e os mais fervorosos beatos falsos.

Nas ameias, julgávamos ver odaliscas a dançar os véus e o corpo como promessa de «mil e uma noites» de prazer.

Pelo desfiladeiro norte, espreitámos os Caminhos de Santiago sem topar caminheiros nem cavaleiros.

Pelo planalto, a sul, estendemos o olhar, sem dar conta da vista de mouros ou cristãos.

Julgámos ouvir um gemido, doloroso e apaixonado, junto à muralha de nascente.

Aproximámo-nos, e parámos junto a uma fonte seca. Na beira da pedra, onde antes de punham os cântaros ou as bilhas, para depois se levantarem até ao ombro ou à cabeça, vimos uma pedra do tamanho de uma mão larga.

Chegámo-nos mais perto.

Por debaixo da pedra do tamanho de uma mão larga espreitava um pedacinho de papel.

Olhámos vagarosa e atentamente em redor.

O pio áspero e agudo de um milhafre fez-nos dar conta do assombro, e do assombroso silêncio, que nos rodeia.

Chegámo-nos à fonte seca, junto à muralha nascente.

Talvez a pedra do tamanho de uma mão larga e o papel que pisava e escondia fossem um ritual para, chegado o anoitecer e o luar começasse a brilhar, alguma moira encantada regressasse à vida de princesa de Monforte de Rio Livre.

A coragem deu-nos força para deitar a nossa mão estreita à pedra do tamanho de mão larga.

Levantámo-la com uma, e logo apanhámos o papel com a outra!

Estava dobrado em forma de navio, tal qual aquele que fazíamos, na meninice e na juventude, com uma qualquer folha de jornal de papel de forrar o louceiro ou do caderno de cópia e de ditado.

Voltámos a olhar atentamente à nossa volta.

Apurámos o ouvido.

Nada!

Procurámos uma sombra mais confortável e acolhedora.

Voltámos a comprovar o nosso sossego e a nossa solidão.

Desdobrámos, com todo o cuidado e algum receio, o papelinho dobrado em forma de navio.

E lemos:

…,

QUE É FEITO de TI?!

 

Tu!

Que é feito de ti?!

Por onde tens andado, que não te tenho visto?

Por que fugiste?!

Não. Tu não fugiste.

Deixaste-me!

Deste conta de um largo e longo caminho à tua frente quando te lembraste que o meu era estreito e curto.

Tiveste pressa em percorrê-lo. Mesmo sem saber se esse caminho podia terminar logo ali ao desfazer a primeira curva ou no princípio da segunda ladeira.

Avaliaste-me as forças, e viste que eu não podia acompanhar-te a passada.

Fizeste bem.

Fizeste bem?!

Espero bem que sim.

Fechaste a porta, dos teus olhos e do teu coração.

Nunca mais te vi.

E já lá vai tanto tempo!

Sim, tanto! Porque esse tempo corresponde ao espaço da minha vida preenchido com toda a pena pela tua ausência e coberto pelas saudades da alegria de viver que me davas!

Tu!

Que é fito de ti?

Por onde tens andado, que não te tenho visto?

Se ao menos andasses em boa companhia!

Os teus dias são maiores do que as noites?

O desfiladeiro que nos separa é enorme, íngreme, sem veredas ou carreiros por onde eu possa partir à tua procura.

Tu estarás lá no alto, empurrada pela sorte, pela fortuna, pela felicidade.

Eu permaneço cá no fundo, com a tristeza e a saudade.

A vida escoa-se-me cada vez mais depressa.

Sinto pena, imensa pena de não poder ver-te.

Tu!

Que é feito de ti?!

…….-

 

Agora digam que a NOSSA TERRA, a NORMANDIA TAMEGANA e a voivodia de ÁGUAS FRIAS não são “TERRA de ENCANTO”!

 

M., 2 de Julho de 2014

O caval(h)eiro de Monforte

 

NOTA: Este é um texto inédito com que o meu muito amigo e amante da nossa terra, Senhor Luís Fernandes, quis lisonjear-me, publicando-o aqui neste espaço que, ele sabe-o, também lhe pertence. Um abraço fraterno desde Monforte até à sua querida Granjinha.

 

publicado por riolivre às 15:46
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. “QUE É FEITO de TI?!”

.arquivos

. Março 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Março 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Novembro 2011

. Julho 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

.links

.on line

online

.rádio

blogs SAPO

.subscrever feeds