Quinta-feira, 14 de Agosto de 2014

EXPOSIÇÕES

 

Até 1991 os flavienses e outros transmontanos tiveram oportunidade de fazerem as suas deslocações de combóio. As gentes de Águas Frias, sobretudo as que foram à procura de melhores condições no Porto ou em Lisboa, tiveram no combóio o único meio de comunicação que as podia levar e, depois de alguns anos de labuta, já com o suficiente para matar as saudades da família, trazer de regresso à aldeia.

 

Eu próprio, durante quase dez anos, "sofri" essas dezoito horas que separavam Chaves de Lisboa viajando até à Régua, onde se fazia uma paragem de algum tempo, até que chegasse uma outra composição, com origem em Barca de Alva, para onde fazíamos o transbordo. Depois, já na via larga, lá íamos até ao Porto e, chegados aqui (Estação de S. Bento), teríamos de demandar um outro combóio, este sim, que nos levaria até à capital.

 

Mau grado a evolução dos tempos, há sempre quem trave o desenvolvimento em nome de políticas que nunca haveremos de entender. De facto, enquanto na nossa vizinha Galiza se apressaram a modernizar as ferrovias, nomeadamente electrificando-as e corrigindo os percursos - no concelho de Verin já se fazem obras de requalificação da linha para a alta velocidade - no início da década de 90 do século passado, já com os milhões da UE a chegarem e com o actual Presidente da República como primeiro ministro, em vez de os darem melhores meios de acesso ao resto do País decidiram, pura e simplesmente, que Trás-os-Montes não precisava de combóios. Mandaram fechar as linhas e deixá-las ao abandono ou proceder ao seu desmantelamento.

 

Ontem como hoje continuamos a ver fugir tudo das nossas terras e, nem os políticos que nos deveria representar nem, grande parte das vezes, nós próprios, somos capazes de clamar por direitos absolutamente fundamentais para que a nossa região continue a ter gente.

 

Foi por isso que um amigo de Águas Frias que tanto tem publicitado a nossa terra, decidiu agarrar nas fotos que foi fazendo da extinta linha do Corgo e expô-las publicamente, para que uns possam recordar  o que conheceram e outros tenham oportunidade de constatar uma das formas como começaram, desde Lisboa, a isolar as nossas populações.

 

Vale a pena, pois, a partir do dia 28 de Agosto, um saltinho ao restaurante do Ilídio, o Testarrosa, na Rua do Sol em Chaves, onde estará uma exposição, ou ao Centro Cultural, onde estará uma outra.

 

 

             

 

 

 

publicado por riolivre às 15:54
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. EXPOSIÇÕES

.arquivos

. Março 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Março 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Novembro 2011

. Julho 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

.links

.on line

online

.rádio

blogs SAPO

.subscrever feeds