Sábado, 26 de Junho de 2010

Encontro de verão da blogosfera flaviense

Este ano a blogosfera flaviense (e não só, uma vez que alguns valpacenses já fizeram questão de estar presentes!) decidiu que o  encontro de verão tivesse lugar nos nossos domínios. O local escolhido foi o Castelo de Monforte e todos os aquafrigidenses irão ficar muito satisfeitos por ter sido escolhida a sua terra para tão importante evento.

Vamos certamente recebê-los como só nós sabemos fazê-lo.

Sejam bem vindos às Terras de Monforte!

 

 

Foto de Fernando Ribeiro

 

 

Nota: As inscrições também podem ser feitas para  celestinochaves@sapo.pt

publicado por riolivre às 15:56
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 3 de Junho de 2010

Lampaça II

Prometi que voltaria aqui com a Lampaça e, como gosto de cumprir, cá estou para mais uma pequena incursão por esse bairro quase despovoado que, como referi no post que lhe dediquei anteriormente, já teve uma densidade demográfica impensável.

 

Contígua àquela que outrora foi a casa de Francisco Oliveira (o muito conhecido Feluje) e Clotilde Pires fica uma outra, também em ruinas, que conheci como a casa da minha tia Felisbina (ainda a chamamos assim) e que foi a habitação dos meus bisavós Alexandre e Ofêmea, o primeiro, irmão da Felisbina. Também aí foi criada uma prole imensa e, mais tarde, serviiu de morada a alguns dos meus primos, filhos do meu tio Maximino, cuja casa de habitação era muito próxima desta. Como tantas outras, também foi abandonada ao tempo e, como não poderia deixar de ser, uma boa parte dela não resistiu

 

 

 

 

Como tantas outras, também foi abandonada ao tempo e, como não poderia deixar de ser, uma boa parte dela não resistiu. Algumas paredes foram colapsando e até os sabugueiros encontraram aqui espaço para se reproduzirem.

 

 

Felizmente, continua a haver gente de Águas Frias ou, de alguma forma ligada à aldeia, que mantém essa importantíssima aposta na construção ou reconstrução de casas para férias, para fins de semana, ou mesmo para passar uma boa parte da vida pós reforma. O Abel Costa é um desses heróis. Interessou-se pelo espaço, adquiriu-o e iniciou, imediatamente, a obra. Mas a vida tem vicissitudes com que, muitas vezes, não contamos, e o Abel teve de abdicar do sonho de regressar à aldeia de que tanto gosta. Todavia, perante este impedimento, logo um dos irmãos se interessou em negociar a casa. Vamos, pois, ter mais uma reconstrução e todos ficaremos mais ricos por podermos contar com alguém que ajuda na luta contra o despovoamento e mesmo contra o possível desaparecimento da nossa terra.

 

Mas, voltando à casa que venho descrevendo, vale a pena constatar que, à entrada do pátio,  permanece o antigo forno, que terá sofrido obras de recuperação há uns anos a esta parte pela mão do malogrado Samino.

 

 

 

A casa dos pais da Rosinha do Nel tem frente para o mesmo largo da anterior. Pensar nesta casa faz-me lembrar como há gente que nos obriga a regredir. De facto, temos um governo que tem tomado medidas, umas atrás das outras, sempre a por em causa a nossa região, na tentativa de destruir esta parte do território nacional para que tudo se encaminhe para o litoral, esvaziando-nos de um conjunto de equipamentos que sempre foram considerados fundamentais para quem teima em viver por cá. Uma dessas medidas foi exactamente a que teve a ver com o fecho da maternidade do hospital de Chaves, obrigando asa nossas mulheres a ir parir a Vila Real. E o que acontece? As ambulâncias passaram a ser maternidades ambulantes e os bombeiros parteiras. E tudo isto a propósito da casa da "Tia" Lucinda porquê? Porque foi graças ao auxílio desta grande mulher que eu e tantos outros pudemos nascer, com as condições da época, e sobreviver, uns mais que outros, mas sobreviver. Ela era a parteira que, há sessenta anos, ajudou a minha mãe a parir-me. Hoje, estamos quase de regresso a esse passado.

 

 

Deixo ainda uma foto da entrada das traseiras da casa que, mais tarde, foi habitada por Arnaldo Pires e Marília Lopes e que, actualmente, também é pertença do Abel Costa. A porta que se vê ao fundo é a entrada para o lagar do meu tio Maximino.

 

publicado por riolivre às 23:23
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. TEMOS UMA ESCRITORA

. NATAL 2015

. POR TERRAS DE MONFORTE

. O CASTELO, SEMPRE!

. O CASTELO FOTOGRAFADO PEL...

. XXIII ENCONTRO DE BLOGUES...

. JÁ NÃO HÁ ENTRUDO

. ...

. APONTAMENTO

. XXII ENCONTRO DE FOTÓGRAF...

.arquivos

. Março 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Março 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Novembro 2011

. Julho 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

.links

.on line

online

.rádio

blogs SAPO

.subscrever feeds