Terça-feira, 8 de Maio de 2007

Águas Frias - vista (quase) geral

 

Águas Frias foi o nome que lhe chamaram. Águas Frias é o nome que ainda lhe chamam. Águas Frias será, suponho, o nome que lhe hão-de continuar a chamar.

E a confiar nos documentos históricos que, de quando em vez, temos oportunidade de consultar, esse nome de Águas Frias com que este naco de Trás-os- Montes foi batizado, já não tem idade. Ao que nos é dado saber, já por aqui terão passado os romanos e, na sua/nossa língua, já lhe chamariam Aquae Frigidae. Terá sido por contraponto às cálidas Aquae Flaviae, ali tão perto? Ou teria a ver com o facto de as águas que brotam e dão de beber a esse solo onde tanta riqueza se produziu serem, mesmo no pino do verão, tão frescas e tão deliciosas para matar a sede nesse meses de inferno que o nosso poeta tão bem descreveu?

Seja como for, a água com que ainda hoje, aqueles que teimam em viver aí e do que a terra lhes dá se dessedentam ou regam as culturas, continua  a ser muito fria e a correr das entranhas da serra do Brunheiro que, aqui, toma a designação de Ladário ou, se quisermos ser mais nós próprios, Ladairo. A serra é exactamente essa que se prolonga desde a zona de Loivos, como que uma ramificação da Padrela, dirigindo-se para leste, até à Bolideira.

E é na encosta dessa serra que, afinal, estancia esta aldeia pequenina, de gente humilde, trabalhadora e generosa, estendendo-se por um termo que abarca a zona onde se situa o belo castelo de Monforte de Rio Livre e se projecta, encosta abaixo, até à recentemente construida barragem de Arcossó ou, cá para nós, das Nogueirinhas.

Já lá vai o tempo em que era abraçada por um jardim imenso de belos soutos de castanheiros. Nos anos sessenta do século passado a castanha não tinha ou não lhe era conferido qualquer valor comercial. Grande parte da produção servia de ração aos recos que se criavam em todas as casas - e que boa era a carne e o fumeiro desse tempo! Não foio difícil, por isso, cair no logro desse intermediários madeireiros - também já havia disso - permitindo o corte de centenas de árvores enormes, bonitas e produtivas que, porventura, vieram a servir de matéria prima a móveis a que os aquafrigidenses não tiveram, certamente, acesso. Resta a esplêndida mata do Barros - ó Chico, ó Jorge, não deixeis delapidar esse património único - um manto de alguns hectares de castanheiros bravos, que continuam, a par das touças de carvalhos, a dar essa imensa tonalidade verde que nos enche e regala na primavera.

Facilmente se prcebe que a aldeia fica relativamente próxima da se de de concelho. De facto, Chaves, a mais bela cidade do mundo - ai não é?, pois eu continuarei a dizer que sim - dista apenas um pouco mais de uma dezena de quilómetros e, para aceder a Águas Frias basta tomar a EN 103 que passa numa das margens da aldeia.

Prometo voltar com outros temas e, porventura, com mais história, sobre Águas Frias.

publicado por riolivre às 15:29
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De ÁguasFrias a 8 de Maio de 2007 às 18:28
Amigo Tino:
Mais uma vez nos deslumbras com o modo como descreves a tua e "nossa" aldeia de Águas Frias.
A descrição que fazes é de facto uma autêntica pintura com as suas pinceladas de conhecimento,... pinceladas de recordação, ... pinceladas de observação e, ...sobretudo, pinceladas de paixão por esta pequena mas belíssima terra que é Águas Frias.
Um abraço
De Tupamaro a 11 de Maio de 2007 às 23:05

Bonito texto - pelas belezas que descreve, pela beleza da sua construção e pela beleza da imagem a que dá suporte.

Sim, Chaves é a mais bela cidade do mundo!

Não fosse ela o coração da Região onde nascemos!

Mas Chaves - cidade é muito mais do que aquele núcleo imediato em torno dos "Fortes", das Caldas e da Ponte Romana.

CHAVES é toda uma Região multifacetada de usos, costumes, tradições; multicolorida de terrenos agrícolas férteis, quer sejam a "Veiga", as "Lamas, as "Quintas", as “Ribeiras” as "Hortas", os "Quintais", ou as “Carvalheiras”, os “Pinhais”, os “Soutos”, e os “Baldios” cobertos de carqueja, tojo, giesta ou chamiça; assinalada por acontecimentos históricos e épicas odisseias das suas gentes!

Até o céu de Agosto, ou o de Janeiro, da “Nossa Terra” não tem semelhante!

CHAVES é uma Região – Museu.

Este, e outros Blogues Flavienses, atestam, certificadamente, a grandeza de alma dos Alto – Tameganos, cujo símbolo universal é o seu Brasão de Armas.

E se Chaves é a mais linda do mundo é porque a envolvê-la tem esse colar de pérolas que são as suas Aldeias!

Saudações do
Tupamaro

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. TEMOS UMA ESCRITORA

. NATAL 2015

. POR TERRAS DE MONFORTE

. O CASTELO, SEMPRE!

. O CASTELO FOTOGRAFADO PEL...

. XXIII ENCONTRO DE BLOGUES...

. JÁ NÃO HÁ ENTRUDO

. ...

. APONTAMENTO

. XXII ENCONTRO DE FOTÓGRAF...

.arquivos

. Março 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Março 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Novembro 2011

. Julho 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

.links

.on line

online

.rádio

blogs SAPO

.subscrever feeds