Segunda-feira, 26 de Março de 2007

A FEIRA DE MONFORTE

Este espaço exterior ao castelo foi, durante séculos, palco das transacções que os locais, em particular, e os transmontano, em geral, tinham necessidade de levar a cabo para a manutenção da sua sobrevivência. Aí se faziam, portanto, as trocas, primeiro directas (o produto por produto), mais tarde indirectas, isto é, já com a moeda como intermediária.

Já no século xx foram estabelecidos dois dias mensais para as feiras que, cada vez mais, se tornavam não só importantes como imprescindíveis para a nossa débil economia. Os dias 18 e 28 de cada mês constituiram, até aos anos setenta, verdadeiras romarias que atraíam ao planalto centenas e, nalguna casos,  milhares de transmontanos oriundos das quatro partidas deste pedaço raiano de Portugal.

Ainda me lembro bem de, quando era um fedelho, me sentir orgulhoso de, com a aguilhada na mão, conduzir a junta de bois da minha avó subindo a encosta íngreme que separa a aldeia (de Águas Frias se trata, claro) do castelo para, aí, e depois de pagar a "casinha" -uma taxa que um pressuroso funcionário da Câmara de Chaves cobrava à entrada - esperar que algum lavrador aparecesse e mostrasse interesse na compra dos bois, num processo que, aliás, era muito interessante, pois, o essencial, para além do melhor ou pior tratamento que seria dado aos animais, era verificar, através de uma vistoria aos dentes, se o bicho era novo ou não e se tinha ou não saúde.

Bom, mais à feira também chegava outro tipo de animais que os nossos conterrâneos iam criando nas suas casas, nomeadamente os recos que, no campo da feira, tinham o seu espaço próprio, designado exactamente por "toural dos recos".

A par disso e como não poderia deixar de ser havia uma séria de casitas toscas, em pedra, já cobertas com telha, onse se instalavam os taberneiros e, naturalmente, onde, para além do copo de vinho com que eventualmente se selava um negócio ou se comemorava um encontro, os que vinham se longe podiam ter acesso a uma refeição. Também havia, onde agora se encontra um  espaço de lazer que em boa hora a Câmara de Chaves criou, um conjunto de grandes mesas de pedra onde se instalavam outros taberneiros e o Manolo que, já nesse tempo, aí vendia o seu afamado polvo.

As mudanças introduzidas por ABRIL levaram, por uma questão da salubridade, ao encerramento de todo o tipo de feiras de gado que até então sustentavam uma certa dinâmica comercial, embora somente ligada à agricultura. Foi no tempo em que o engenheiro Videira fazia parte da autarquia que isso aconteceu. Lembro-me de, após uma conversa com ele ter conseguido que se fizessem mail algumas feiras. Todavia, instado governamentalmente, houve que ceder.

Descobri esta fotografia que, se a memória não me falha, é exactamente da última feira de Monforte. Já não sei de que mês nem se dos 18 ou dos 28. Mas fica a memória visual para os vindouros.

publicado por riolivre às 17:08
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De critico a 26 de Março de 2007 às 21:58
um mês para por uma fotografia no blogs quando se faz uma coisa tais que se saber começar senão acaba mal
De ÁguasFrias a 26 de Março de 2007 às 23:51
Parabéns!!!
Foi com enorme prazer que encontrei o teu blog.
Eu, que andava a fazer pesquisa para criar um blog sobre a aldeia que conheci há 28 anos atrás e que me apaixonou até hoje. O que encontrei? Alguém que se tinha já lembrado do mesmo. Que contente fiquei!!! Parabéns. Continua, Tino. Estás a ser brilhante na forma como tratas o tema da "nossa" terra. Se quiseres podes dar uma olhadela ao http://aguasfrias.blogs.sapo.pt , que não é mais que um partilhar de algumas fotos que foi coleccionando. Serei um leitor assíduo. ´Continua.
Um abraço de Mário e Cândida.
De Tupamaro a 2 de Abril de 2007 às 00:18
"""A crítica é fácil; a arte é difícil!"""
À distância de um «click» não falta uma infinita quantidade de convites para se visitarem mil e um interesses, seduções ou enganos.
Também retalhos de saudades, pedacitos de memórias, expressões de afectos e símbolos de homenagens feitas de coração sentido. Como destes, assim nós interpretamos a razão de ser do Blog Rio Livre - e de outros que por essas latitudes se vão construindo.
Temos para nós que este empenho do sr. Celestino Chaves é, não só, para orgulho e consolo dos seus conterrâneos, mas também para satisfação e orgulho das gentes da nossa Região, que chamamos de "Alta -Tamegânia".
A foto e o texto, além de valiosos documentos, são um presente de ternura que colhemos agradecidos.
Tupamaro

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. TEMOS UMA ESCRITORA

. NATAL 2015

. POR TERRAS DE MONFORTE

. O CASTELO, SEMPRE!

. O CASTELO FOTOGRAFADO PEL...

. XXIII ENCONTRO DE BLOGUES...

. JÁ NÃO HÁ ENTRUDO

. ...

. APONTAMENTO

. XXII ENCONTRO DE FOTÓGRAF...

.arquivos

. Março 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Março 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Novembro 2011

. Julho 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

.links

.on line

online

.rádio

blogs SAPO

.subscrever feeds