Domingo, 12 de Julho de 2009

Águas Frias - O "meu" Lagar

Não se pode dizer que Águas Frias tivesse sido, alguma vez, uma terra onde se produzisse muito vinho. E infelizmente, se tivermos em conta os actuais padrões de consumo, também não podemos gabarnos de por estas bandas se ter conseguido algum vinho de grande qualidade. Ainda assim, as nossas terras sempre nod foram brindando com umas pingas que não só nos aqueciam a alma como serviam para convidar os amigos à nossa adega. Era, aliás, em tantos casos, a verdadeira sala de visitas de cada um. E que grandes cavaqueiras e mesmo animação se faziam outrora nas nossa bem cuidadas adegas!

 

Afinal, cada qual gabava-se de ter colhido a melhor pinga e, mesmo nas situações em que não seria mesmo de muita qualidade, ninguém recusava um copinho na adega do amigo ou do vizinho. Ah, então e quando aparecia um qualquer forasteiro que pretendia namorar uma das nossas meninas! a malta não se fazia rogada e depressa se juntava (ao domingo, claro) na taberna da Tia Adélia ou no comércio de Cimo de Vila (na altura do meu pai) para beber a remeia que o tanço tinha que pagar.

 

Este pequeno intróito serviu tão só para trazer aqui uma pérola que, até agora, consegui manter minimamente preservada. Digo até agora, porque a propriedade deixou de nos pertencer. Trata-se de um lagar da minha família que, contra algumas vontades, arrisquei manter com o formato original. Tinha pensado mesmo em musealisá-lo. O facto de ter deixado de viver em Chaves dificultou a minha pretensão e, agora, tudo está na mão do Abel Costa que, como me prometeu, não vai abndaná-lo, com toda a certeza.

 

O lagar fazia parte da casa dos meus bisavós, na Lampaça, e situa-se exactamente por detrás da moradia. foi construido com quatro pedras de granito (inteiras, como se designam aqui na aldeia) assentes, elas próprias, sobre uma fraga. Tendo em conta a inscrição que ainda é bem visível na porta de entrada, a construção data de meados do século XIX. Nada impede que, apesar disso, ela não possa ser anterior. De todo em todo, este tipo de lagar, de varas para os mais eruditos e de TRAVE para nós, é descrito pelos historiadores como dessa época.

 

 

As uvas eram pisadas (quantas horas aí passei!) e, passados alguns dias (entrementes tinha que se BAIXAR A CORTIÇA), abria-se o bocal do lagar para que o precioso néctar corresse para uma lagareta, também de pedra, que lhe é adjacente, embora num plano inferior. Inicialmente, como a adega dos meus bisavós se situava ao lado, num plano, também, inferior, o vinho era canalizado, através da parede, para aspipas que se encontravam do outro lado. Com as partilhas, as más partilhas que sempre acontecem quando se dividem as heranças, o lagar ficou para o meu avô e a adega para o meu tio Maximino. Houve que mudar de atitude. O vinho passou a ser retirado da lagareta com o auxilio de cântaros que o transportavam até às pipas. Durante anos viajava, à cabeça das mulheres, até Cimo de Vila ou até ao Casal. Ultimamente, colocaram-se as vasilhas junto ao lagar que passou a servir, também de adega.

 

 

 

Finalmente, retirado o vinho, era preciso espremer o bagaço que cobria o fundo do lagar. E aqui está o que dá importância a  este equipamento. Conheci mais dois ou três semelhantes. Contudo, os proprietários, nuns casos, deixaram-nos ao abandono, perdendo todo o valor histórico que hoje lhes poderíamos dar; noutras situações, justamente por não terem alternativa e pretenderem modernizar os procedimentos da elaboração do vinho, transformaram-nos, com a introdução de prensas mais modernas e mais fáceis de manejar.

Este é, portanto, o único exemplar que, na aldeia, mantém a chamada TRAVE, com o respectivo FUSO e o PESO, a pedra que era preciso fazer rodar para apertar o fuso na trave, onrigando esta a descer com o seu peso sobre as tábuas que se colocavam sobre o bagaço, espremendo-o de tal forma que, quanto mais seco ficasse, melhor aguardente iria produzir.

 

O "meu" lagar é agora pertença do meu bom amigo Abel Costa. Não tenho dúvida que o Abel vai preservar essa jóia do nosso património. Mas lanço aqui um repto à Junta de Freguesia, qual é o de, assumir o lagar como património de interesse local e ajudar na reconstrução do edifício que o acolhe.

 

 

 

 

 

publicado por riolivre às 18:18
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De ÁguasFrias a 13 de Julho de 2009 às 23:59
Ora aí está o lagar que várias pessoas, da Aldeia, me tinham falado, mas que nunca tive o prazer de o observar de perto.
Pelas fotos, parece-me monumental (tanto quanto ao tamanho, como no verdadeiro significado da palavra).
Como, em conversa me descrevias, nada existe deste tipo, na Aldeia.
A curiosidade ficou ... em vê-lo de perto.
Estou convicto que o Abel, se puder, o irá preservar.
É um elemento que é um pouco da História e Cultura e Memória do Povo de Águas Frias.

Até breve para me poderes mostrar e explicar o funcionamento deste enorme, artesanal e raro lagar.
E, depois, porque não tomar um copo, não feito neste mas noutro qualquer largar da Aldeia.
O vinho continua a ser uma boa "pomada".

Um abraço
Mário
De riolivre a 14 de Julho de 2009 às 18:54
Fica combinado, Mário. Se calhar lá para a altura da festa.

Abraço.

Tino
De vitor a 9 de Maio de 2010 às 11:48
Bom dia
Gostei de ler o artigo sobre a lagareta de trave, sobre o seu funcionamento. Como tenho uma em peças, gostaria, se fosse possível ver algumas fotos da lagareta em si para saber em que local da trave encaixa.
obrigado
De Sir do Vasco a 5 de Novembro de 2010 às 10:05
Caro Celestino
Andava eu em busca de esprema do bagaço do vinho porque na minha aldeia a esse acto se chamava fazer o "pé" e eu não sei qual a razão. Dei com o seu post. Uma relíquia que sob a minha humilde opinião deve ser conservada. Esforce-se para que isso aconteça. A junta de freguesia e a Camara deveriam colaborar na preservação destes objectos representantes da cultura duma região. Parabéns! Força!
Abraço.
Armando Eiras

já agora veja:
www.sarzedasdovasco.blogs.sapo.pt

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. TEMOS UMA ESCRITORA

. NATAL 2015

. POR TERRAS DE MONFORTE

. O CASTELO, SEMPRE!

. O CASTELO FOTOGRAFADO PEL...

. XXIII ENCONTRO DE BLOGUES...

. JÁ NÃO HÁ ENTRUDO

. ...

. APONTAMENTO

. XXII ENCONTRO DE FOTÓGRAF...

.arquivos

. Março 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Maio 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Março 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Novembro 2011

. Julho 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

.links

.on line

online

.rádio

blogs SAPO

.subscrever feeds